Patologia Bucal

Patologia Bucal    


Dr. Rodrigo Beledelli – CRO 213791

Especialista em Patologia Bucal

Mestre em Radiologia e Imaginologia Odontológica

IODI e Medicina Diagnóstica Ltda.


A Patologia Bucal foi regulamentada como especialidade no Conselho Federal de Odontologia (CFO) em 15 de novembro de 1971. Segundo o CFO, cabe a especialidade da Patologia Bucal estudar os aspectos histopatológicos das alterações do complexo buco-maxilo-facial e estruturas anexas, visando o diagnóstico final e ao prognóstico dessa alterações, por meio de recursos técnicos e laboratoriais.


A Patologia Bucal necessita integração com a clínica geral e a Radiologia. Por isso, é importante que todo material biopsiado e enviado ao laboratório de Patologia seja acompanhado de todos os dados clínicos e radiográficos possíveis, e que todos os profissionais envolvidos no caso mantenham contato para possíveis esclarecimentos, atuando sempre em pareceria.


Algumas patologias afetam especificamente os elementos dentais, como alterações:

-do esmalte - amelogênese imperfeita, hipoplasia de Turner, fluorose...;

-da dentina - dentinogenese imperfeita, displasia dentinária....;

-do cemento - hipercementose.....; 

-da polpa - reabsorção interna, pulpólitos, inflamações....


Os quadros de alterações dos dentes apresentam características muito específicas que requerem conhecimento aprofundado da odontogênese. Entre as alterações dos elementos dentais há também: dente invaginado, projeção cervical do esmalte,  reabsorções dentárias, periapicopatias, odontodisplasia, fusão, concrescência, geminação, etc.


Indo além do elemento dental, podem-se citar algumas doenças comuns que acometem os demais tecidos bucais como:


-Aftas (estomatite aftosa)

-Doenças periodontais

-Herpes

-Fungos

-Cistos

-Nódulos

-Carcinomas

-Sarcomas

-Fibromas

-Odontoma


As glândulas salivares são também atingidas freqüentemente por patologias importantes, com: lesões inflamatórias, obstrutivas, imune mediadas e neoplásicas benignas e malignas. Podem ser também, a primeira manifestação de um quadro sistêmico;


Há várias doenças sistêmicas que podem ter manifestações bucais, dentre elas pode-se citar a diabetes, leucemia e SIDA.


A complicação médica mais importante na cavidade oral de um paciente HIV - positivo é representada pela candidíase oral. Apesar de ser possível comprovar lesões provocadas pela infecção por Cândida na cavidade oral de até 75% dos pacientes aidéticos, somente a candidíase esofágica pertence ao grupo das infecções oportunistas que são consideradas pelo CDC como altamente sugestivas de SIDA.


A Cândida albicans representa, no paciente imunodeprimido, uma grave ameaça de seu estado geral; a extensão da candidíase oral para regiões mais profundas do trato gastrintestinal pode ter conseqüências desastrosas. Neste fato fundamenta-se a urgência de seu tratamento, mesmo que ela permaneça restrita à cavidade oral.


A infecção oral por Cândida tem função marcadora no indivíduo HIV - positivo em relação ao desenvolvimento da SIDA. Assim, 59% dos pacientes com linfadenopatia generalizada e candidíase oral adoeceram no espaço de três meses com uma infecção oportunista que levou ao diagnóstico de SIDA ou apresentaram um malignoma característico.


Dentre as doenças mais graves que podem atingir a boca, temos de destacar o câncer.Cerca de 11.000 novos casos de câncer de boca são estimados para este ano para o Brasil (INCA-2008). A boca é o quinto local de incidência entre os homens, e o sétimo entre as mulheres no Rio Grande do Sul, mutilando e matando milhares de doentes todos os anos.


 O câncer de boca é uma denominação que inclui os cânceres de lábio e de cavidade bucal (mucosa bucal, gengivas, palato duro, língua e assoalho da boca). O câncer de lábio registra maior ocorrência no lábio inferior em relação ao superior. Pessoas que trabalham expostas ao sol devem ter extrema atenção. O câncer em outras regiões da boca acomete principalmente tabagistas e os riscos aumentam quando o tabagista é também alcoólatra.


O principal sintoma deste tipo de câncer é o aparecimento de feridas na boca que não cicatrizam no período médio de uma semana. Outros sintomas são ulcerações superficiais, com menos de 2 cm de diâmetro, indolores (podendo sangrar ou não) e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou no interior da boca. Dificuldade para falar, mastigar e engolir, além de emagrecimento acentuado, dor e presença de linfadenomegalia cervical (caroço no pescoço) são sinais característicos de câncer de boca.